Archive for fevereiro \24\UTC 2009

Dalila: Nem deusa, nem árabe, e sim uma personagem bíblica

fevereiro 24, 2009

Maria de Fatima Dannemann

Apesar do início do single Cadê Dalila lembrar uma música de dança do ventre, a verdadeira Dalila foi uma palestina mencionada como traidora na Bíblia

Nunca se viu tanto equívoco como nos últimos tempos. No programa de Ana Maria Braga, Juliana Paes diz que um dos poucos lugares da Índia onde as mulheres precisam cobrir o rosto é nos Emirados Árabes. Um professor de dança diz que por causa de “Caminho das Índias”, “Dalila” deve ser a mais tocada. A Ásia entrou pela janela dos lares baianos, via rádio, TV ou mesmo o som do porta-malas do carro do vizinho e provocou esses erros. Dalila, agora imortalizada na letra de Carlinhos Brown e na voz de Ivete Sangalo, não era deusa, nem hindu, nem árabe: era palestina, uma personagem bíblica que ficou famosa por trair Sansão apenas por despeito.
Sansão, herói bíblico, era conhecido por sua força excepcional, apaixonou-se pela irmã de Dalila, Semadar, que foi dada a outro homem. Sansão fica revoltado e sai barbarizando, além de desprezar Dalila que caia de amores por ele. Um belo dia, alguém mata Semadar para vingar-se dos prejuízos que o herói desprezado anda causando. Sansão jura vingança e a partir daí causa uma guerra sem fim até que ele se descobre apaixonado por Dalila que é procurada pelo chefe dos filisteus e convencida a descobrir o segredo de sua força. Somente por vingança ela aceita e corta os cabelos do herói. Os filisteus chegam, o agarram, furam-lhe os olhos e o levam para Gaza (desde aqueles tempos palco de discórdia). Lá, o prendem com duas correntes de bronze e o colocam para girar a pedra do moinho.
Na prisão, seus cabelos voltam a crescer. Um dia, os filisteus se reúnem para oferecer um grande sacrifício ao deus Dagon. Na ocasião, mandam trazer Sansão para que se divirtam com ele. Quando o colocam entre duas colunas que sustentam o templo onde se acham cerca de 3.000 homens e mulheres, ele invoca a Javé pedindo-lhe forças para que se vingue dos filisteus com um só golpe, por causa dos seus olhos. Sansão, então, toca as duas colunas centrais e grita: “Que eu morra com os filisteus”. Em seguida, empurra as colunas com toda a força e o templo desaba, matando a todos.

Clássico do cinema

Essa história tornou-se um clássico do cinema do pós-guerra com o filme de 1949 dirigido por Cecil B de Mille e Heddy Lamar no papel de Dalila. O filme é considerado pela crítica é um ótimo clássico bíblico. “Além do cuidadoso trabalho de DeMille, o filme conta com uma direção de arte primorosa, uma trilha sonora espetacular, assinada por Victor Young, e um figurino fiel à época. A talentosa atriz austríaca, Hedy Lamarr, no auge de sua carreira, é um dos grandes destaques do filme.O filme apresenta, ainda, grandes momentos, como a antológica seqüência final, quando Sansão destrói o templo do deus Dagon”, segundo a wikipedia.
A Dalila do cinema, Hedy Lamarr, nome artístico de Hedwig Eva Maria Kiesler, (Viena, 9 de Novembro de 1913 — Altamonte Springs, 19 de Janeiro de 2000) foi uma atriz norte-americana nascida na Áustria. Uma das mais belas atrizes da história do Cinema, na Europa ficou famosa ao aparecer nua num filme de 1933. Em Hollywood, seu papel mais famoso foi o de Dalila, no filme Sansão e Dalila. Foi inspiração para Walt Disney desenhar a Branca de Neve, “a mais bela”, seu primeiro desenho animado de longa metragem (1937). Durante a II Guerra, curiosamente ela inventou um sistema de comunicação para as Forças Armadas Americanas na Segunda Guerra Mundial que serviu de base para o que hoje é a telefonia celular. Só se conseguiu construir um sistema desse tipo e que funcionasse a partir de 1958. Lamarr registrou a patente, fato que só foi divulgado para o público em 1981, devido as implicações militares. Casou-se seis vêzes e teve três filhos. Dalila é também o nome de três ciclones no Pacifico Oeste e a tempestade tropical que em 2007 devastou o México.
Cadê Dalila, primeiro single do novo e esperado CD de Ivete Sangalo, Pode Entrar, não é a primeira música com Dalila na letra. Uma delas, de Cazuza, Nem sansão, nem Dalila, fala também do amor mal sucedido entre o herói e sua traidora: Dalila:/ Eu nunca fui Sansão/ Nem Rambo – tele-catch – bobão/ A minha pátria é a vida!/ Dalila:/ Você me dá um trabalho/ Não sou Hércules, nem nada/ facilite a parada!/ nem Sansão, nem Dalila/ Apenas dúvidas, feridas/ Você me corta, trai e atrai/ Mas é a vida, querida……….”

Anúncios

E amanhã, O Oscar

fevereiro 22, 2009

Fatima Dannemann
Amanhã, em pleno Carnaval Brasileiro, a Academia Americana de Artes e Ciências Cinematograficas escolhe os melhores de 2008 no cinema. Aqui, Carnaval, Escolas de Samba do Rio, Paredão do Big Brother com chapa quente (a vovó Naná já está na berlinda), Ivete Sangalo está indo chamar Dalila e em meio a tudo isso Brad Pitt ainda pode levar um Oscar.

***

Ou ele, ou o filme O Curioso Caso de Benjamin Button, o franco favorito deste ano o que, em matéria de Oscar, nem quer dizer nada, afinal, quantos filmes são indicados para ene categorias e saem de mão abanando? O Curioso caso… concorre de perto com Quem quer ser um milionário, que já faturou O Globo de Ouro entre outros premios.

***

Aliás, Brad (indicado a melhor ator) não é o único na familia Pitt a ser contemplado com uma indicação esse ano. Sua esposa, Angelina Jolie, estará na festa entre as indicadas a melhor atriz. Ela concorre com Meryl Streep e Kate Winslet (já indicadas outras vezes), Melissa Leo e a chatinha Anne Hathway. Foi o filme A Troca, dirigido por Clint Eastwood que deu a indicação à Sra Pitt. Mas a troca só teve mais uma indicação, pela fotografia.

***

A novidade do ano nem é novidade já que segue a tendência do Globo de ouro: a indicação póstuma de Heath Ledger a melhor ator coajuvante por seu Coringa em Batman, o Cavaleiro das Trevas. Para muitos, aliás, este seria o melhor filme do ano. Mas, os indicados ao top de linha de 2008, além de O curioso caso… e quem quer ser… são Frost/Nixon, Milk, e O Leitor.

***

Sobre o filme que vem sendo considerado favorito da noite: O Curioso Caso de Benjamin Button é dirigido por David Fincher enspirado em conto de F. Scott Fitzgerald. O filme conta a história de um menino órfão, nascido velho, que rejuvenesce com o passar do tempo. É, na verdade, uma história de amor, entrega e despreendimento. Brad Pitt faz o papel-título, enquanto Cate Blanchett é o par romântico dele.

***

Mas tem mais: Mickey Rourke e Robert Downey Jr. compartilham um histórico muito semelhante, um início promissor e uma queda no poço da carrerira por escolhas profissionais ou pessoais erradas, e principalmente uma indicação para o Oscar 2009 que representa uma verdadeira volta por cima hollwyodiana. Mickey Rourke, de 56 anos, conseguiu uma indicação de melhor ator na 81ª edição do Oscar por seu papel de Randy “The Ram” Robinson, um lutador que se nega a deixar os ringues em “O Lutador”. O filme de Darren Aronofski é considerado uma analogia com a própria vida do ator.

***

Oscar é o mais famoso e cobiçado troféu do mundo do cinema. É entregue anualmente em cerimônia no Teatro Kodak, na cidade de Los Angeles (EUA) aos que mais se destacaram no ano anterior em categorias como ator, atriz, diretor (realizador) ou cineasta, fotografia, música, roteiro (ou argumento) e melhor filme. Os vencedores são escolhidos por um colégio de mais de 5.800 membros votantes da Academia, de diversas nacionalidades. A cerimônia de entrega do Oscar é vista ao vivo na televisão por milhões de pessoas em todo o planeta.

Indicados do ano

MELHOR FILME – “O Curioso Caso de Benjamin Button” – “Frost/Nixon” – “Milk – A Voz da Igualdade” – “O Leitor” – “Quem quer ser milionário?”
MELHOR ATOR – Richard Jenkins – “The Visitor” – Frank Langella – “Frost/Nixon” – Sean Penn – “Milk – A Voz da Igualdade” – Brad Pitt – “O Curioso Caso de Benjamin Button” – Mickey Rourke – “O Lutador”

MELHOR ATRIZ – Anne Hathaway – “O Casamento de Rachel” – Angelina Jolie – “A Troca” – Melissa Leo – “Rio Congelado” – Meryl Streep – “A Dúvida” – Kate Winslet – “O Leitor”

MELHOR ATOR COADJUVANTE – Josh Brolin – “Milk – A Voz da Igualdade” – Robert Downey Jr. – “Trovão Tropical” – Philip Seymour Hoffman – “A Dúvida” – Heath Ledger – “Batman — “O Cavaleiro das Trevas” – Michael Shannon – “Apenas um Sonho”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – Amy Adams – “A Dúvida” – Penélope Cruz – “Vicky Cristina Barcelona” – Viola Davis – “A Dúvida” – Taraji P. Henson – “O Curioso Caso de Benjamin Button” – Marisa Tomei – “O Lutador”

MELHOR DIRETOR – David Fincher – “O Curioso Caso de Benjamin Button” – Ron Howard – “Frost/Nixon” – Gus Van Sant – “Milk – A Voz da Igualdade” – Stephen Daldry – “O Leitor” – Danny Boyle – “Quem quer ser milionário?”

MELHOR ANIMAÇÃO – “Bolt – Supercão” – “Kung-Fu Panda”

– “WALL-E”

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA – “The Baader Meinhof Complex” – Alemanha – “The Class” – França – “Departures” – Japão – “Revanche” – Áustria – “A Valsa com Bashir” – Israel

Raul Seixas – Tente Outra Vez

fevereiro 16, 2009

Veja!
Não diga que a canção
Está perdida
Tenha em fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!…

Beba! (Beba!)
Pois a água viva
Ainda tá na fonte
(Tente outra vez!)
Você tem dois pés
Para cruzar a ponte
Nada acabou!
Não! Não! Não!…

Oh! Oh! Oh! Oh!
Tente!
Levante sua mão sedenta
E recomece a andar
Não pense
Que a cabeça agüenta
Se você parar
Não! Não! Não!
Não! Não! Não!…

Há uma voz que canta
Uma voz que dança
Uma voz que gira
(Gira!)
Bailando no ar
Uh! Uh! Uh!…

Queira! (Queira!)
Basta ser sincero
E desejar profundo
Você será capaz
De sacudir o mundo
Vai!
Tente outra vez!
Humrum!…

Tente! (Tente!)
E não diga
Que a vitória está perdida
Se é de batalhas
Que se vive a vida
Han!
Tente outra vez!…

The Closest Thing to Crazy

fevereiro 11, 2009

Katie Melua

How can I think I’m standing strong,
Yet feel the air beneath my feet?
How can happiness feel so wrong?
How can misery feel so sweet?
How can you let me watch you sleep,
Then break my dreams the way you do?
How can I have got in so deep?
Why did I fall in love with you?

[CHORUS:]
This is the closest thing to crazy I have ever been
Feeling twenty-two, acting seventeen,
This is the nearest thing to crazy I have ever known,
I was never crazy on my own…
And now I know that there’s a link between the two,
Being close to craziness and being close to you.

How can you make me fall apart
Then break my fall with loving lies?
It’s so easy to break a heart;
It’s so easy to close your eyes.
How can you treat me like a child
Yet like a child I yearn from you?
How can anyone feel so wild?
How can anyone feel so blue?

[CHORUS]

kajra re – tema de caminho das indias

fevereiro 4, 2009

Aaisi najar se dekha usne jalim ne chowk par
Humne kaleja rakh diya chalu ki nok par

Public : wah wah, kamal ho gaya , woh raita fail gaya

Music : dhin tanak dina ……

Mera chain bain sab ujda ,jaalim nazar hata le – 2
Barbaad ho rahe hai ji – 2
Tere apne shaher wale
Mera chain bain sab ujda ,jaalim nazar hata le
Meri angdai na toote tu aaja – 2
Kajra re kajra re tere kare kare naina – 2
Ho kajra re kajra re tere kare kare naina – 2
Ho mere naina mere naina mere naina judwa mere naina
Kajra re kajra re tere kare kare naina

Surmain se likhe tere wade, aankhon ki jabani aate hain
Mere rumalo pe lab tere ,bandh ke nishani jaate hain
(ho teri baaton main kimam ki khusbu hain
Ho tera aana bhi garmiyon ki lu hain ) – 2
Aaja tute na tute na aangdai
Ho meri angdai na tute tuu aaja – 2
Kajra re kajra re kajra re tere kare kare naina – 2
Ho kajra re kajra re tere kare kare naina – 3
Ho mere naina mere naina mere nain main chupke rehna
Ho kajra re kajra re tere kare kare naina

Aankhein bhi kamal karti hain
Personal se sawal karti hain
Palko ko uthati bhi nahi hain
Parde ka khayal karti hain
(ho mera gum to kisise bhi chupta nahi
Dard hota hain dard jab chubhta nahi ) – 2
Aaja tute na tute na meri aangdai
Ho meri angdai na tute tu aaja
Kajra re kajra re tere kare kare naina – 2
Ho kajra re kajra re tere kare kare naina – 3
Ho tere naina tere naina humein daste hain tere naina
Ho kajra re kajra re mere kare kare naina

Ho tujhse milna purani dilli main
Chod aaye nishani dilli main
Pal nimani dari betalab
Teri meri kahani dilli main
Kali kamali wale ko yaad karte
Tere kale kale naino ki kasam khate hain
Tere kale kale naino ke banaye hain ruh
Tere kale kale naino ko duwaye hain ruh
Meri jaan udas hain hothon pe pyaas hain
Aaja re aaja re aaja re
Ho teri baaton main kimam ki khusbu hain
Ho tera aana bhigarmiyon ki lu hain
Ho meri angdai na tute tu aaja – 2
Ho kajra re kajra re tere kare kare naina – 2
Ho tere naina tere naina tere naina judwaa tere naina – 2
Ho tere naina tere naina tere naina main chupke rehna – 2
Ho kajra re kajra re tere kare kare naina – 2
Kare kare – 4
Naina
Kajra re kajra re mere kare kare naina

sobre os filmes que fizeram 2008 no cinema e alguma coisa da TV

fevereiro 3, 2009

por Fatima Dannemann

Uma coisa me impediu de ir mais ao cinema em 2008: o preço elevado do ingresso do cinema. Somem-se ai pipoca, refrigerante, lanchinho básico depois do cinema para discutir o filme e… Pois é… O resultado é que precisei escolher mais os filmes e acredito ter feito boas escolhas. A primeira e principal delas atende pelo nome de Batman, o Cavaleiro das Trevas, sem dúvuda o melhor do ano passado.

***

Este é um filme que faz fãs de quadrinhos ou não, “batmaníacos” ou não passarem tres horas hipnotizados pelas imagens. É o que melhor captou a essência amarga, depressiva e violenta do (anti)heroi, além de toda a insanidade do Coringa. Aliás, Heath Ledger, que morreu logo após as filmagens, ganhou um Golden Globe póstumo como melhor ator coadjuvante justamente por este papel.

***

Um outro Film of note do ano é A Outra que conta o affair de Henrique VIII não só com Ana Boleyn como com a irmã desta Mary, que é justamente a “outra” do filme. The Other Boleyn Girl é o título original. O filme engloba desde o fim do casamento do rei da Inglaterra com Catarina de Aragão até a execução de Ana e a entrada em cena de Jane Seymour, a terceira esposa do monarca.

***

Fui ver Crepúsculo agora já no finalzinho do ano meio cética. Filme de vampiro? Pois sai surpresa do cinema. O filme é legal. Na verdade é a clássica história de amor adolescente com atmosfera dark, algum terror e cenas de sangue. Em compensação, move o filme uma belíssima paisagem tanto do sudoeste como do norte dos Estados Unidos. A música é linda e ver que mesmo vampiros têm algum código de ética foi surpreendente.

trailer

***

Agora, uma comédia. Claro que só podia ser romântica: O melhor amigo da noiva, leve, despretensioso, de morrer de rir. Um remake que surpreendeu foi Agente 86. O chato foi ter que aturar Anne Hathway com aquele ar de Diário da Princesa que gostaria de vestir Prada… Muda o filme e ela é a mesma. Finalmente, Mama Mia. O filme que eu mais cantei nos ultimos tempos. legal, divertido e – porque não – para matar as saudades dos tempos da discoteca.

***

Na TV, aproveitei para ver O pai Ó, versão filme na sexta-feira. Claro que eu me diverti horrores. O filme não é lá grandes coisas. Mas é made in Bahia, com elenco baiano, história divertida… Ah, e foi gratis mesmo… John e June também foi uma surpresa de fim de ano na telinha não tinha visto no cinema e aproveitei para conferir. Gostei muito, especialmente da performance de Reese Whiterspoon que ganhou o Oscar de melhor atriz por sua interpretação de June Carter. Mereceu.

Impressões generalizadas e alguns toques

fevereiro 2, 2009

Maria de Fatima Dannemann

Ano Novo, lista de indicados ao Oscar e novidades na telinha. Ou coisas nem tão novas como as tradições de cinco mil anos mostrada como historinha para boi dormir na novela Caminho das Indias. Tudo carnavalizado em ritmo de superprodução numa trama cheia de sub-tramas e personagens secundários. Se Glória Perez não se perder, vem outro sucesso a vista, apesar da dúvida: depois da trama enxuta e do minimalismo de A Favorita os espectadores da Globo se reacostumam com o kitsch de peruas e/ou suburbanas que Madame Perez costuma explorar em suas histórias?

***

Melhor ficar com a reprise de Mulheres Apaixonadas, no Vale a Pena ver de novo e ver Suzana Vieira vivendo na fantasia o mesmo que ela viveu na vida real. Na trama, levada ao ar a primeira vez no inicio desta década, Lorena dispensa Expedito (Rafael Calomeni) depois de tomar um corno do rapaz com sua ex-nora Marina (Paloma Duarte, aliás sumida das novelas). A realidade foi mais cruel com Suzana, uma das melhores atrizes brasileiras. Mas, ao que tudo indica, ela tirou de letra e se recupera dos revezes do ano passado.

***

Falando em trapalhadas, o Big Brother Brasil começou bizarro com dois grupos na mesma casa, um casa de vidro de onde saiu mais uma loira a pulso de chapinha no cabelo, Josiane, embora todo mundo garanta ter votado em Mayra (baixinha, morena e de cabelo curto). Saiu Michele detonada pela panelinha do lado B que agora negocia com a Playboy e mostra o quanto ela era “santinha”. Priscila, a vencedora entre as mulheres do primeiro paredão do BBB, ao contrário, vai mostrando tudo e aprontando todas sem medo de ser feliz. No que vai dar o BBB, aguardemos…

***

Enquanto isso, quem chega tarde em casa, esnoba as Indias, esnoba o BBB, esnoba até a violenta novela Chamas da Vida, da Rede Record e sintoniza no SBT para assistir Revelação, escrita pela primeira-dama da rede, Iris Abravanel. Impressões de quem viu: a novela é agua com açucar mas é boazinha.
Maria de Fatima Dannemann | Deixe sua loucura aqui (0)