Cinema e DVD: Um musical, um heroi, intrigas palacianas e – de quebra – uma princesa

<img src=”http://2.bp.blogspot.com/_52rzVhT3GHI/SM0Xph2IAOI/AAAAAAAABBQ/RIDnNjRShkA/s320/mamamiaposter-786532.jpg”&gt;

Fatima Dannemann
   
        Primeiro, o musical. Gênero que anda pouco explorado nos últimos anos. Música mesmo? Só em desenhos animados ou filmes infantis e olhe lá. A diretora inglesa Phyllida Lloyd resolveu levar para as telas o sucesso dos palcos e Mamma Mia, com Meryl Streep, Pierce Brosnan, Colin Firth, Julie Walters, Rachel McDowall, Christine Baranski e – supresa absoluta – Amanda Seyfried, bonita, afinada e mandando bem como a co-protagonista Sophie. O filme é leve, engraçado, romântico, tem ótimas coreografias e músicas deliciosamente nostálgicas do grupo sueco ABBA (entre as quais Dancing Queen e Chiquitita). Completando o clima, o belo cenário do Mediterrâneo, como sempre deslumbrante. A história é simples, prestes a casar, Sophie envia convites para seus três possiveis pais: Sam, Bill e Harry. Os três resolvem voltar à ilha e à mulher por quem se apaixonaram vinte anos atrás. Quando chegam, a mãe de Sophie, Donna, se surpreende ao ficar cara-a-cara com os ex-namorados que nunca conseguiu esquecer. E, enquanto eles inventam desculpas por estar ali, ela se pergunta qual deles é, realmente, o pai de Sophie. Entrou em cartaz esta semana em Salvador e merece ser visto.
 
            ***
 
          Na escolha das esposas ou mesmo namoradas de um rei, há mais de intrigas do que de amor. Isto fica claro em A Outra, de Justin Chadwick, que conta o envolvimento das duas irmãs Bolena, Ana, a famosa segunda esposa de Henrique VIII decapitada por uma suposta traição e sua irmã Mary, amante do rei (e segundo dados históricos mãe de tres supostos filhos bastardos) e das tramas do Duque de Norfolk (também parente da quinta esposa do rei, Catharina Howard, destronada e executada quase da mesma maneira que Ana Boleyn). Natalie Portman é Ana e Scarlett Johansson é Mary convencidas a aceitar o afeto do rei em troca de favores como maior poder e fortuna para sua familia.  Inicialmente, Maria ganha o amor do Rei Henrique (Eric Bana) e se torna sua amante, dando-lhe um filho ilegítimo. Mas Ana, esperta, traiçoeira e destemida, desbanca sua irmã e a esposa de Henrique, a Rainha Catarina de Aragão, em sua perseguição incessante ao rei. O filme é bem feito, prende a atenção do começo ao fim e a reconstituição de época é preciosa nos detalhes. Vale conferir.
 
         ***
       
       Heroi ou anti-heroi? Vivendo nas sombras entre seres da noite, carregando muito de amargura e algo de ódio. Assim é o Batman das graphic-novels. Batman, o Cavaleiro das Trevas, dirigido por Christopher Nolan, com Bob Kane entre seus roteiristas é um dos filmes do homem-morcego que melhor captou essa essencia. Além de todos os trunfos vale conferir o último trabalho do ator Heath Ledger, que se suicidou logo após as filmagens. Christian Bale é Batman que nesse filme enfrenta um Coringa mais do que nunca ensandecido e assassinando inocentes sem qualquer traço de compaixão ou humanidade. Outros personagens se cruzam como o Tenente Jim Gordon (Gary Oldman) aliado de Batman, o promotor Harvey Dent (Aaron Eckhart). Dois outros nomes famosos estão no filme: Michael Caine, como Alfred, o mordomo de Bruce Wayne, e Morgan Freeman, como Lucius Fox, que cria as engenhocas que Batman usa na luta contra o crime. Vale conferir. A única ressalva é justamente o Coringa. O ator estaria melhor se não tentasse imitar o psicopata doido do velho Laranja Mecanica. Impossivel não notar a semelhança.
 
         ***
 
       Finalmente uma dica para quem prefere ficar em casa e ver filmes em DVD: Encantada. Sim, o filme é de criança. Não, você não tem crianças em casa. Mas o que é que tem? A história mistura desenho animado, efeitos especiais, comédia romântica, musical e é ótimo. Tem sequências antológicas como a princesa cantando em pleno Central Park ou arrumando um apartamento em Manhattan com a ajuda de pombos, ratazanas e baratas. Maluquice? Não… Apenas fantasia, o que falta no dia a dia e que filmes como esse pode acrescentar. Uma princesa é banida do reino e da idade média pela rainha malvada e acaba em Nova York dos dias atuais onde é encontrada por um advogado que se apaixona por ela. Amy Adams é Giselle a princesa, Patrick Dempsey o advogado. Pra completar, o príncipe (James Marsden) vem salvar a mocinha e a rainha (Susan Sarandon) vem atrapalhar a festa e tudo acaba de forma surpreendente. Veja, mesmo que seja escondido para seus amigos “cabeça” não lhe criticarem.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: